Lábios de amor...



São os nossos,

Que se unem em cada palavra e
Desunem a cada frase.

São os nossos,

Que se conhecem a cada frase e
Desconhecem mais em cada palavra.

São os nossos,

Que se emaranham em cada suspiro e
Soltam em cada fim de semana.

São os nossos,

Que se amarram em cada nova mensagem e
Desprendem em cada novo pensamento.

São os nossos,

Que pedem incessantemente um toque e
Recebem a cada novo dia apenas frases.

São os nossos,

Que se alimentam de frases e poesia e
Querem mais a cada nova rima.

São os nossos,

Que não se conhecem, Não se tocam,
Não se estranham,Não se opôem, e afinal

Só querem se conhecer e tocar...

Comentários

Anónimo disse…
Gostei mais do poema do que da imagem. A amoras coloridas e silvesrtes com que enfeitas-te a página alguns dias, eram muito mais sedutoras do que eeses lábios táo artificiais. mas quem sou eu, uma mulher 100% feminina, como posso entender dos gostos masculinos?!...

LdA
Carlos Alberto disse…
Estou seguro que os seus seriam genuínamente a marca desta poesia .

Contudo e porque temos de ser cuidadosos com as imagens que usamos (propriedade) foi o que consegui. Irei providenciar uma imagem mais adequada.
cristiana disse…
Afinal, as amoras continuam na página!...!
Estou a começar a descobrir esta paisagem agreste, selvagem, cristalina. Tão fresca e natural! Linda!linda!

Obrigada por maravilhares meu olhar, com o colorido de frutos silvestres. Obrigada!
Ah! esquecia-me... estes lábios já se confundem mais com o natural.
Desculpa, mas a naturalidade, simplicidade, humildade, são o símbolo da vida; da minha vida...!
Cakau disse…
Alegria!
Finalmente, aqui, de novo :)
Saúdo-te! *

Mensagens populares deste blogue

O tempo e os tempos

Ondas sonoras a metro na cidade