sábado, janeiro 19, 2008

LÁGRIMAS





Os espelhos que moram em meu rosto
mostram hoje a tua ausência em
cada palavra que ficou por dizer e
em cada gesto incompleto.

Os lábios murchos e secos
gritam saudades e choram
pedindo que voltes e
sem perguntas os alimentes.

Os braços, ah , os braços
sós e desalinhados estão
como a alma, vazios e
desejosos de voltar a apertar-te.

As mãos, secas e sem brilho
não esqueceram a tua maciez, mas
não mais tocaram com alegria
porque só com a tua pele são felizes.

Que queres que te responda :
Que sim, que sinto a tua falta e
estou pronto para receber-te tão logo
estejas preparada para me envolver.

O tempo e os tempos

Foi aqui, no tempo Enquanto sorvia o teu silêncio, que Reclinando a cadeira, somei Todos os tempos, que vividos Através da pausa dos sen...