Esta distância que nos separa

Porque a vida não é compreensível, apesar de todos os sinais que nos dá, eu vou perguntando e quem sabe não estarás por aí á escuta e com sabedoria e vontade de partilhar a tua opinião ... ainda que ambos saibamos ser coisa difícil a adivinhação .

Posted by Hello



Ainda me recordo da primeira vez que te vi.

Sentada naquele enorme sofá azul, olhei-te através do reflexo dos enormes vidros que o escritório ainda têm e fui durante uns bons minutos preparando-me para não tremer a voz ou sentir as pernas demasiado leves.

Dois pares de olhos, fixavam-se em ti e de esguelha sorriam para mim em tom de aviso, eu que os conheço tão bem, adivinhava-lhes o pensamento…

Levantaste-te e sorriste, eu sorri … e por pouco não me sentei. Convidei-te a sair para tomar um café e experimentar uma deliciosa sobremesa!

Conversámos durante uns quarenta minutos e encantei-me para sempre.

Olho para o longínquo passado e noto a distância que nos separa, e pergunto-me se dois ou três detalhes fossem diferentes, de que cor seria a nossa tela?

Comentários

Cakau disse…
Talvez fosse muito colorida, com traços vivos de um rosa intenso e de um vermelho voluptuoso.
Ou talvez em tons cinzentos, salpicados com alguma (pouca) cor.

Na verdade há momentos que valem mais da forma como aconteceram do que se tivessem tido futuro.

Mas, uma vez mais, os olhares presentes. Essa linguagem de gestos e sorrisos que encanta e faz sentir borboletas no estômago...

É linda a maneira como escreves sentimentos e situações que são normais e que de comum nada têm.

Um beijo enorme para ti :) *
NeVaEh disse…
Fizeste-me lembrar um dos meus filmes preferidos... O Efeito Borboleta... Ao alterar um pequeno pormenor, quais as consequencias que isso acarreta? Mudar pequenas coisas, levam ou não a resultados completamente diferentes...

Não sei como é a tua tela... Nem sei como querias que ela fosse...

Mas sei que ela poderia ser de todas as cores e feitios.
Cakau disse…
Vim partilhar um sentimento:

Hoje sinto-me como se não houvesse distâncias, como se pudesse estalar os dedos e estar perto de pessoas que não conheço, como se pudesse chegar-lhes ao coração sem enfrentar obstáculos e fronteiras.
Simplesmente assim.

Estarei louca?

Um beijinho enorme *

Mensagens populares deste blogue

O tempo e os tempos

Ondas sonoras a metro na cidade