BLACK OUT


Foto retirada aqui :http://www.rainhadapaz.g12.br/projetos/estudomeio/sapucai/depoimentos.htm



Tarde muito tarde na vida, soletro os sons do mundo
E tal garoto do mundo embriagado me atormento
Buscando em cada sorriso o calor de um irmão disposto
A me acarinhar e mostrar a vida,
Essa coisa de que apenas tenho ouvido falar.

Será que essa tal de vida é parecida com minha mãe ?
Oh, como minha mãe é linda e meiga, como gosto dela...
Será que essa tal de vida a conhece ?
Eu acho que se ela conhecer a minha mãe vai gostar dela,
è por causa de que todo mundo gosta dela, a vida também vai gostar !

Quando eu conhecer a vida de que ocês falam, cês nem sabem
O que é que vou falar com ela : Vou falar assim, que queria
ter aquela comida que eu vejo os Meninos de Dona Maricotinha a comer,
assim num copinho, e que se ficar no sol some. É tão engraçado .
Um dia me deram dessa comida e eu fiquei olhando tanto
Que quando acordei ela tinha sumido, virou assim um caldo...
Mas era tão linda , às cores e com curvas !

Agora eu vou querer uma para comer de verdade, dessa vez
Eu não vou dormir. Ah, não vou não...

Eu quero muito conhecer essa tal de vida, porque me disseram
que essa tal de vida é muito boa, e como eu não tenho ninguém
Se ela quiser pode tomar conta de mim, eu gosto assim
Quando as pessoas me tratam bem e chamam de Menino da Rua ! (...)

Eu não quero roubar,pedir, chorar ou chatear, só estou querendo
Um pouco da sua atenção.
Talvez não tenha percebido, mas eu
Sou invisual e não conheço a vida, poderá me apresentar a ela ?


Jorge Joaquim Semião de Alencar
Montes Claros, 1993/07/05 (21:38 fim)


Comentários

Mensagens populares deste blogue

O tempo e os tempos